A Linguagem Simples

O que é

Linguagem Simples é tradução do termo em inglês plain language – literalmente, “linguagem simples”. Também é conhecida como Linguagem Clara.

É um campo consolidado em vários países, mas ainda pouco conhecido no Brasil.

A expressão plain language foi consagrada por movimentos sociais internacionais a partir dos anos 1970. Consumidores e cidadãos passaram a exigir que textos e documentos fossem mais fáceis de ler e entender.

Não existe uma definição universal de Linguagem Simples. Nós trabalhamos com a seguinte perspectiva:

Linguagem Simples é um conjunto de práticas de comunicação que facilitam a leitura e a compreensão de textos e documentos.

Tem a intenção de minimizar as dúvidas de quem lê.

Considera o público-alvo para organizar as ideias, escolher as palavras mais familiares, estruturar as frases e determinar o design.

Evita jargão e termos técnicos. Mas, se for inevitável, deve explicá-los. Sempre testa se o público-alvo entendeu bem o texto antes de publicá-lo.

O objetivo é que um texto em linguagem simples seja entendido logo primeira leitura. A pessoa consegue localizar com rapidez a informação, entendê-la e usá-la.

Do livro “Clareza em textos de e-gov, uma questão de cidadania”.

A Linguagem Simples tem um pé na empatia e outro na simplicidade.
Mas, atenção! Simples, sempre. Simplório, nunca.


Como escrever

Não há material didático em português com orientações específicas para elaborar textos usando a técnica da Linguagem Simples.

A Comunica Simples oferece cursos e treinamentos para ensinar esta técnica de redação.

O livro ‘Clareza em textos de e-gov, uma questão de cidadania’, de Heloisa Fischer, não aborda a técnica. Traça um histórico do movimento mundial pela clareza na comunicação escrita e reflete sobre a importância de textos fáceis de entender na transformação digital de governos, com foco no governo eletrônico brasileiro.

Lá, Heloísa reproduz uma brevíssima síntese das orientações do livro Oxford Guide to Plain English (Oxford University Press, 2013), de Martin Cutts, a principal referência na bibliografia internacional sobre o tema.


Exemplo de texto antes e depois

Hospital Federal da Lagoa (Folheto)

Até 2016, o Hospital da Lagoa, na zona sul do Rio de Janeiro, distribuía um folheto com dicas para prevenir infecção hospitalar era de difícil leitura.

Havia uma massa de texto grande, com muitos termos técnicos e nenhuma imagem.

ANTES:

Uma leitura pouco convidativa para informações de extrema importância.

Heloisa Fischer foi voluntária do Hospital da Lagoa e teve a oportunidade de reescrever o folheto em linguagem simples.

A direção do hospital aprovou as mudanças e o folheto passou a circular em nova versão.

DEPOIS:

Links de referência

Organizações internacionais

  • The Plain Language Action and Information Network, Estados Unidos
    Plataforma mantida por funcionários do governo norte-americano. Seu objetivo é difundir o uso da linguagem simples em agências e órgãos estatais. Disponibiliza toneladas de informação.
  • Plain English Campaign, Reino Unido.
    Surgiu a partir do movimento iniciado em 1979 por Chrissie Maher.
    Outorga o selo Crystal Mark para documentos de compreensão fácil (e presta serviços de edição para os pouco compreensíveis).
  • Plain Language Comission, Reino Unido.
    Consultoria do pioneiro britânico Martin Cutts. Criou a certificação Clear English Standard. Oferece cursos on-line. Disponibiliza referências de material editorial sobre linguagem simples grátis.

LinkedIn – Grupos em português


LinkedIn ­ – Grupos em inglês


Iniciativas governamentais brasileiras

search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close